quinta-feira, 1 de fevereiro de 2024

Revista Mitologia Aberta – uma cornucópia de cultura pop-mitológico-filosófico-artística!

 

Saiu o nº XIX (fev/2024) da Revista Mitologia Aberta, editada pela competente Larissa Dias!


Fig. 1: Revista Mitologia Aberta. Algumas das edições (a do meio é a mais recente). Fonte: https://mitologiaaberta.com.br/

 

Como sempre, traz uma variedade de temas (muitos da cultura pop) vinculados à mitologia em geral, em várias seções temáticas. E sempre valorizando, não só escritores e autores (pesquisadores inclusos), como ilustradores e autores de quadrinhos e zines e os da área da música (não olvidando o rock, heavy metal e afins).

Por exemplo, a belíssima capa com a representação de Tiamat – deusa da mitologia sumeriana/babilônica, de Vitor Dilly (veja a imagem do meio na Fig. 1).

Além dele, uma ilustração de Thaís Carezzato, para um dos artigos da revista. Por coincidência, Thaís é filha do cartunista Bira, e este também apresenta uma HQ (“Natal Viking”) que desenhou para o roteiro em dupla com Gian Danton (outro roteirista de renome da HQ brasileira) na Seção denominada “A Nona Árvore” (cujo batismo da seção fixa da revista – que é trimestral – se relaciona com o título atribuído aos quadrinhos: a Nona Arte). 

 

Figs. 2 e 3: Excertos da ilustração de Thaís (à esquerda) e da primeira página da HQ de Gian e Bira (à direita). Fonte: https://drive.google.com/file/d/10zOR0POhuLTGkgMrU0B9x1y2bWJ6W0Po/view

Além disso, na Seção “Vitrola de Orfeu", Luis Ribeiro expõe a importância das composições épico-mitológicas da Banda Blind Guardian (uma das melhores do mundo, em minha opinião, com um vocalista posuidor de um timbre que figura entre os mais belos da linha heavy metal)! Ribeiro trabalha algumas composições e suas relações com as mitologias, como a fenomenal And then there was silence, provavelmente a mais longa música da banda, cujo tema nesta canção incorpora elementos da mitologia grega.

Fig. 4: Excerto do artigo de Luis Ribeiro sobre a mitologia nas canções de Blid Guardian. Fonte: https://drive.google.com/file/d/10zOR0POhuLTGkgMrU0B9x1y2bWJ6W0Po/view

 

Há também um conto escrito por Luiz Júnior sobre Caipora, um dos mitos folclóricos brasileiros, e muito mais!

Aconselho a baixarem a revista. E não só: as outras edições também (eu participo de algumas, nos números iniciais!).

Vejam no site https://mitologiaaberta.com.br/ sobre a revista e a elencagem de todos as edições.

E eis o link pra baixarem este novo número da “Mitologia Aberta” que aqui resenhei: https://drive.google.com/file/d/10zOR0POhuLTGkgMrU0B9x1y2bWJ6W0Po/view

Tenham uma boa viagem pelas mitologias, coadunadas com as belezas das artes dos contos, textos, ilustrações, quadrinhos e incentivos às audições sonoras, numa viagem cornucópico-caleidoscópica!


Gazy Andraus (pós-doutor pelo PPGACV-FAV-UFG, Dr. pela ECA-USP, Me. pela UNESP-SP, pesquisador e autor de HQs poético-fantástico-filosóficas e fanzines, zines e artezines), Goiânia, 01/02/2024

quarta-feira, 24 de janeiro de 2024

"Reduflação"...roubo, pois maquiagem de preços com anuência do governo, enganando a população com uma inflação menor do que realmente o é!

 "Reduflação"...roubo, pois maquiagem de preços com anuência do governo, enganando a população com uma inflação menor do que realmente o é!

Só que no Brasil, os supermercados não põem este aviso. Aqui é pior, pq a população é enganada e sem avisos. Aliás, os papéis higiênicos coemçaram a ter apenas 20 mts em cada rolo...preste atenção na hora de comprar, pq o preço pode te iludir:



https://youtu.be/TzE_dU90OEs?si=2Rnk-gX7queSat7L

Eu partilhei no tweeter e o facebook. Mas o facebook não deixou divulgar pq acha que o conteúdo vai contra as normas da comunidade dele, do faceburro! Sei...

Então, está aí para assistirem.

Gazy Andraus (p.s.: caso queiram, já escrevi sobre isso, antes, dando o exemplo do produto "Bis", com o título: "Mono-bis! A falácia da inflação decrescente e a diminuição de peso de produtos.") 

Vejam em: https://conscienciasesociedades.blogspot.com/2017/09/a-falacia-inflacao-decrescente-e.html

segunda-feira, 15 de janeiro de 2024

Cartão de Crédito Visa Bradesco novamente cobrando anuidade à revelia


Cartão de Crédito Visa Bradesco novamente cobrando anuidade à revelia (ver reclamação anterior de 16/08/2022 Cartão de Crédito Visa Gold Bradesco cobrando abusivamente e ferindo o CDC - Banco Bradesco Cartões - Reclame Aqui). Quando me foi ofertado o cartão pela 1 vez sem que eu tenha pedido (em 2021), à época foi-me dada anuidade gratuita (até havia perguntado se continuaria sempre, ao que meu gerente havia confirmado que sim). Da segunda vez em diante, alteraram meu cartão (à revelia) e depois nem tendo fechado o segundo ano (que também não estava sendo cobrado), começaram a fazer cobrança de anuidade, pois sem que eu pedisse, alteraram para Platinum o meu cartão, e daí passaram a cobrar anuidade (vide novamente o link da reclamação anterior para mais explicações). Lembrando que trocar à revelia uma modalidade, sem o consentimento do consumidor, via de regra, é um ato ilegal de qualquer empresa.

Novamente, percebi agora que em dezembro de 2023, reiniciada a nova anuidade, me foi cobrada a 1 parcela no valor de R$45,05 (Anuidade diferenciada diferenciada, mesmo, face ao absurdo que é o valor, o qual ultrapassa os R$500,00 anuais!!!). 

Liguei ontem ao Bradesco-Cartões, e mesmo tendo sido muito bem atendido, a funcionária só conseguiu me fornecer 3 meses de isenção por média de gasto. A seguir, segundo ela, após os 3 meses, ou seja, em meados de março para fim do referido mês, eu teria que ligar de volta e ver se teria mais alguma isenção, mas por pontuação. Obviamente que não terei, porque a pontuação para cada 3 meses é de 8850, e há pontos que vão sendo expirados no caminho (pois têm datas de validade).

Segundo a atendente, outra opção (em vez do cancelamento do cartão a que aludi) seria retroceder o tipo de cartão mas lembro que quando me concederam-no, eu não pedi que o alterassem para este de maior valor de benefícios (dos quais até hoje não sei claramente quais sejam), pois me alteraram ele à revelia, como eu havia dito (ler reclamação anterior no link dado, pois lá explico que, por telefone, eu disse que não aceitava a alteração e descobri depois que ela foi feita, mesmo assim o que me pareceu, que de propósito para ter a cobrança de anuidade obrigatoriamente, já que mudando de tipo de cartão, os gastos para isenção teriam que ser muito maiores).

Desta maneira, e apesar do estorvo e da demanda de tempo para sempre ter que reclamar, recorro ao Reclameaqui considerando minhas críticas bem embasadas:

1- se fornecem um cartão, o cliente não pode ter o tipo dele alterado à revelia e automaticamente, ainda que o tenha negado e

2- se assim procedem, deveriam manter a palavra de que não haveria incidência alguma de cobrança, porque foi o que me disseram ma época, ainda que eu tenha negado querer a mudança de tipo de cartão (e lembrando que da segunda à terceira vez tive, novamente que reclamar a anuidade).

3- Bradesco, o país tem regras e leis, e o CDC- Código de Defesa do Consumidor. Cuidado como estão se portando, pois claramente ferem o CDC, neste caso de alteração automática à revelia (e desconhecimento) do cliente.

Por fim, ainda que a atendente tenha me dado isenção de janeiro a março, a cobrança indevida feita em dezembro permanece (o que já me é um prejuízo). Ademais, do quarto mês em diante ainda terei o ônus de ter que trocar de cartão ou cancelar, com mais uma trabalheira que o Bradesco dá a seus clientes (ainda mais um, que sou eu, que tenho conta há décadas e jamais faltado com algo ou sido inadimplente tendo até aplicações na minha agência do referido banco).

Sendo assim, aguardo de uma resolução definitiva: a não cobrança da anuidade deste cartão que, à revelia, na época, me forneceram mudando o tipo que anteriormente havia sido dado a mim pelo gerente, mas então depois com a alteração forçada (e à minha revelia), com a promessa de ser igual ao anterior (ou seja, sem cobrança de anuidade).


Gazy Andraus, 06/01/2024.*

*Ver resposta da empresa e contra-respostas minhas direto no link do reclameaqui:

https://www.reclameaqui.com.br/minha-conta/responder-avaliar-reclamacao/ji1hR0zVLFUtXqrL/ 


Preços de passagens com descontos no site oficial da Guanabara, sem opções de se comprá-la sem a taxa de serviço (pois no whatsapp e guichês oficiais da empresa, embora sem taxas, o preço das passagens escolhidas aparece sem o desconto)

 Já tendo reportado à Guanabara pela reclamação de 30/07/2023 (ReclameAqui - ID: 169185507) acerca da cobrança de taxa de serviço em seu site, disseram-me depois poder comprar pelo whatsapp (+55 88 9805-1133) sem a taxa.

Pois ontem eu tentei comprar pelo whatsapp com base no preço do site oficial (https://www.viajeguanabara.com.br/onibus/sao_paulo-sp-todos/goiania-go-todos?pixPromo=0&departureDate=22-1-2024) uma passagem de São Paulo-SP a Goiânia-GO. Mediante vários horários e preços, já pré-escolhera o das 19h que custa R$139,99 (ver anexo 1). 

Anexo 1

Então, como o site cobra a taxa de serviço (+10%) acessei o Whatsapp por duas vezes em horários distintos. Na primeira, perto das 11h39, até o final quando o atendente me enviou a passagem (perto das 12h19), o valor veio acima dos R$220,00 (anexo 2, tentativa 1)! Inquiri o atendente e ele foi verificar constatando que não havia mais a passagem no valor de R$139,99.

Depois, retornei ao site e vi que ainda havia, sim.  Então, retomei o whatsapp perto das 15h22 explicando a ele que havia a passagem naquele preço e horário. Daí ele verificou e me respondeu que aquele preço era somente pela compra pelo site (anexo 2, tentativa 2).

Agradeci e mais tarde dirigi-me ao guichê da rodoviária de São Vicente-SP, perto das 18h20. A funcionária do guichê foi verificar e também não achou a passagem ao mesmo preço, somente acima dos R$220,00 – e eu disse a ela que novamente, antes de ir à rodoviária, eu havia simulado uma compra e achei-a ao preço de R$139,99 no horário das 19h no site da Guanabara. Ela, então, me disse que talvez o site permita embora o guichê, não.

Anexo 2 - tentativass 1 e 2
 
Eu retruquei que a Guanabara havia me dito que no whatsapp da empresa e nos guichês oficiais não haveria incidência de taxaso que estava acontecendomas que parece que a empresa não abre algumas passagens que estão no seu site a preços módicos para o whatsapp e o guichê físico, cobrando preços maiores lá, o que é contrário ao que a Guanabara havia me dito que pode-se comprar a mesma passagem sem a taxa que se verifica no site, nos canais whatsapp e guichê presencial (logo, com o mesmo preço – mas o que não estava acontecendo em relação ao preço no whatsapp e guichê presencial).

Isto, Guanabara, é uma afronta ao CDC: vocês obrigam o eventual passageiro a ter que adquirir a passagem com um preço ofertado exclusivamente pelo site, mas com a venda casada da taxa de serviços e não permitem nenhum outro canal a que o passageiro possa comprar a passagem pelo preço com desconto sem a taxa (em alguns dos horários, repito, como este das 19h de São Paulo-SP a Goiânia-GO, convencional, ao preço de R$139,99 e que ainda aparece aqui no site, neste momento em que escrevo esta reclamação – veja anexo 3).

Anexo 3

Triste esta postura que não permite com que o cliente adquira a passagem com desconto ofertado no site, sem ter que pagar o ônus sem a taxa, e sem ter nenhum outro canal em que, embora sem a taxa, o preço se iguale, já que ele aparece majorado no whatsapp e guichê físico:

1-Se eu vou ao whatsapp da empresa, não há a taxa, mas a passagem do mesmo horário pula para mais de 220 reais e

2-Se eu for ao guichê físico, acontece o mesmo!

Entenderam estes 2 parágrafos acima? Para que não respondem o que não expliquei, ok?

Absurdo, e até, de certa maneira, e não probo para com o potencial passageiro!!!

Grato pela atenção!

Gazy Andraus (15/01/2024)*


*Links direto para as reclamações no reclameaqui: https://www.reclameaqui.com.br/expresso-guanabara/precos-de-passagens-com-descontos-no-site-oficial-da-guanabara-sem-opcoes_oX0uEFRASmv_6zFo/

e

https://www.reclameaqui.com.br/minha-conta/responder-avaliar-reclamacao/0nE_PxXdflfIiogl/


sexta-feira, 26 de maio de 2023

Bill Blackbeard e seu tesouro de jornais do século XX ou “o homem que salvou os quadrinhos”

Este incrível (e curto) vídeo-documentário mostra talvez o maior colecionador de páginas de HQs de jornais do mundo, contendo 30 anos de coleção – a qual está agora no “Billy Ireland Cartoon – library & Museum” da Ohio State University.

Percebe-se com isto a importância em preservar tais jornais, pois neles se verificam a representação da sociedade em que HQs antigas traziam representações homoafetivas, negros viajantes no tempo, e montagens em recorte e colagens como máscaras que entretiam as crianças-leitoras dominicais, bem como Hugo Hercules, um super-homem nos quadrinhos (que surgiu antes do Superman). No vídeo, se explica que, mesmo preservando jornais em microfilmes, a tecnologia era em preto e branco (perdendo as cores). E as bibliotecas, após as microfilmagens, descartam os jornais, o que não permitiria jamais ter as reproduções coloridas novamente.

Então, agora, graças ao que fez colecionador, ao ter vendido sua coleção a uma universidade, novas tecnologias e procedimentos ajudarão a preservar os jornais conforme suas cores originais.

Ao descobrir que as bibliotecas estavam descartando jornais encadernados após a microfilmagem, Blackbeard fundou a San Francisco Academy of Comic Art em 1968 como uma organização sem fins lucrativos e começou a coletar jornais de bibliotecas da Califórnia, expandindo seu escopo para instituições em todo o país. Blackbeard e sua esposa Barbara, casada em 1966, foram forçados a deixar vários endereços de San Francisco pelo crescimento das coleções de Bill. A Academia encontrou sua casa mais duradoura em uma casa de estuque espanhol na 2850 Ulloa Street, no tranquilo bairro residencial Sunset de San Francisco (traduzido de: https://en.wikipedia.org/wiki/Bill_Blackbeard )

Como Blackbeard estava enfrentando o despejo de sua casa alugada na Califórnia, então vendeu sua coleção para a universidade de Ohio, mas levar todo aquele material para lá, em 1998, foi difícil, pois envolveu seis caminhões, então com 75 toneladas de recortes de jornais!

Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=h3zkd0ZwHBo

Interessante saber que o único cômodo sem jornais na casa deste colecionador era o banheiro – mas pela razão de que a umidade poderia danificar os papéis. Agora a universidade está abrindo e catalogando e digitalizando os jornais (já tendo feito uns 30 a 40% de todo o material).

Descobriram, por fim, nessas páginas dos jornais, uma colunista/cartunista – Elsie Robinson – que criou um editorial cartunístico e uma coluna sindical no jornal (de 1920 a 1950) tratando de casamento e feminismo, igualdade de gênero, desigualdade racial e pena de morte.

Assim, este vídeo e o tema mostram a 1-importância sócio-histórica dos quadrinhos, 2-dos jornais, 3-do colecionismo e...4-dos quadrinhos!

 

Vídeo: An exhibition of rescued comic strip art

De: CBS Sunday Morning

Link ao vídeo: https://youtu.be/h3zkd0ZwHBo (mais sobre Blackbeard aqui: https://en.wikipedia.org/wiki/Bill_Blackbeard)

sexta-feira, 7 de abril de 2023

Mercado Extra e produtos próximos de vencimento sem preços na gôndola de descontos.

 Em 2016 e 2016 eu havia já reclamado desta rede de supermercados sobre esta questão de produtos com preços reduzidos devido ao prazo de validade exíguo, em que nas gôndolas, tais produtos acabam ficando sem o preço porque estariam sendo providenciadas novas remarcações. A loja em questão é a unidade “Mercado Extra” de São Vicente-SP, na Av. Presidente Wilson, 903 - Gonzaguinha, São Vicente - SP, 11320-001, (13) 3569-1700.

Hoje ocorreu novamente. O produto é uma polenta cujo vencimento se aproxima (creio que vence dia 14/04/2023). Porém, como não havia preço na gôndola, levei um pacote à verificação de preço na máquina de leitura, em que apareceu como não cadastrado. Interpelei um funcionário que se encontrava na loja e me explicou que provavelmente estava para ser remarcado e que a funcionária faria isso em breve. Retruquei que se o produto está na gôndola, deve ser vendido e é direito do consumidor comprá-lo, de acordo, inclusive com a lei de oferta do CDC (Código de Defesa do Consumidor), que também obriga a que haja o preço à mostra. Ele me respondeu que isso seria feito, mas que provavelmente a funcionária encarregada só o faria na segunda feira, após feriado e fim de semana. Piorada a situação, pois esclareci que continua confrontando a lei e código do CDC, pois o preço tem que estar claro e se o produto está à venda numa gôndola que é para descontos, deveria ser vendido ao preço reduzido, e não ao preço original, como ele havia sugerido, caso eu fosse adquiri-lo, pois não estava cadastrado o desconto (tal produto já estava dias antes com desconto, mas segundo o funcionário, por estar mais próximo ainda da data de validade, provavelmente teve retirado seu preço para ter um desconto talvez até maior (consulte-se, por exemplo, Cap. III - Dos direitos básicos do consumidor, Art. 37 sobre publicidade enganosa – afrontando assim, gôndola para produtos com descontos, mas sem descontos, e na Seção IV, Art. 39, para obterem mais informações sobre tais questões e preços: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8078compilado.htm).

Ainda assim, continuei afirmando que o correto seria a funcionária retirar todo o estoque do produto da gôndola e só recolocá-lo quando o novo preço estivesse novamente no cadastro (e à mostra ao consumidor). Ele entendeu, mas deu de ombros. Na saída ainda tentei ver se havia alguém no balcão de atendimento ao cliente, mas como estava desguarnecido, resolvi ir embora, para agora, proceder à uma reclamação formal.

Esses erros são mais do que comuns, principalmente na rede de supermercados do Carrefour, e vez ou outra, nestas do Extra.

Triste um país sem inteligência, um povo sem conhecimento de seus direitos e uma rede grande como essa sem uma gerência que faça um treinamento condizente com o que dita o CDC no país!

É tripudiar com o cidadão (e com as leis e o CDC)

Gazy Andraus, 07/04/2023

Obs.: 3 Fotos no anexo: foto 1 - detalhe do produto polenta na gôndola; foto 2 – produto na parte inferior da gôndola conforme circundei em destaque; foto 3 – preenchimento impossibilitado no site para reclamação ao Extra, pois não há informações claras de onde se preenchem o nome, telefone, conforme se vê no print da foto)







(P.S.: reclamação também postada no site "Reclameaqui": https://www.reclameaqui.com.br/minha-conta/responder-avaliar-reclamacao/_qJaiinp5_kzUDcV/)

quarta-feira, 8 de março de 2023

A política da Petrobrás e os combustíveis da Petrorroubarás!

 Tudo começou com o golpe (eu queria que o PT e Dilma saíssem, sim, mas mostrou-se que as "pedaladas" foram depois legalizadas - https://www.jb.com.br/pais/noticias/2016/09/02/apos-impeachment-senado-transforma-pedaladas-fiscais-em-lei.html , quando Temer tomou o lugar como presidente - e foi ele quem encaminhou pras 2 câmaras o projeto de alterar o preço dos combustiveis adotando a paridade internacional, dolarizando-o. Foi mancomunado, de propósito e tudo planejado para dar grana aos acionistas enquanto internacionalizavam a Petrobrás e tornavam mais miseráveis os brasileiros. Daí, qualquer presidente subsequente poderia desfazer isso (já que Temer, como presidente, o fez), com um projeto voltando atrás, mas obviamente requer vontade (coisa que Bolsonaro não iria querer de jeito nenhum, pois além de não se importar, poderia ser impeachmado) e que Lula poderia, ao menos, explicar à população que as câmaras do Senado e dos Deputados Federais podem impedir (e até, quiçá, impeachmar o Lula tb), afinal, estariam brigando com os poucos, mas poderosos acionistas brasileiros e estrageiros que ganham às custas da escravidão de toda uma nação. Veja aqui: https://exame.com/negocios/como-funciona-a-politica-de-precos-da-petrobras-criticada-por-bolsonaro/ (figura abaixo). Só que o cabeçalho da notícia é mentiroso: o Brasil era autosuficiente, sim, só não refina, pq Bolsonaro foi vendendo refinarias tb: https://www.cut.org.br/noticias/entenda-por-que-bolsonaro-e-temer-sao-os-culpados-pela-alta-dos-combustiveis-b0dc . Não tem jeito, o povo brasileiro será sempre o sacrificado. Aliás, qualquer povo de qualquer nação do mundo é sacrificado em prol ao governo (não importa de que lado o seja - tem lados piores, claro!