quinta-feira, 11 de abril de 2013

Maioridade penal e politicagem infame



Depois desse assassinato do jovem estudante universitário de jornalismo de 19 anos (http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/1260754-estudante-morto-era-orientado-pela-familia-a-nao-reagir-a-assalto.shtml), por um quase menor (17 anos e muitos dias), já não passou da hora dos políticos reformularem as leis que deixam os menores impunes e de ficha limpa? Esses nossos políticos trabalham em quê, ali dentro do planalto? Eles sabem das prioridades do Brasil? Nós votamos neles a esmo sem sabermos das funções deles, e se eles têm capacidade de nos representarem? Eu não votei mesmo em nenhum deles. Mas (não) o fiz prioritariamente porque sou contra - radicalmente contra - os salários assombrosos que eles têm. Para mim, a primeira coisa a se mudar seria essa.
POIS DO CONTRÁRIO, NÃO CONFIO EM NADA ALI DENTRO, VISTO QUE UM SALÁRIO COMO É O DELES, A MIM, É ALGO QUE RETIRA TOTALMENTE QUALQUER COERÊNCIA E HONRADEZ DELES! Daí por diante, sim, eu votaria de acordo com uma lógica coerente e equilibrada entre o salário de um político brasileiro e o salário mínimo - e em que ambos teriam que ser regidos pelo mesmo método de aumento: só se aumentariam os salários políticos - QUAISQUER QUE FOSSEM - com o mesmo critério e no mesmo instante do aumento dos salários mínimos. E, óbvio, nas eleições, só poderiam ser candidatadas pessoas de ficha estritamente limpas. E o resto?: a própria eleição por parte nossa -  aí, sim, seria feita de acordo com nossas pesquisas e consciência da capacidade de cada um desses eleitos. E não concordo com a obrigatoriedade do comparecimento à urna. Na minha visão, possibilita mais do que a não obrigatoriedade, numa maior compra de votos, e maior votação a esmo. Caros, entristeci-me com essa notícia desse jovem que foi morto. E, mais que isso, fico sem compreender quais os motivos que impedem nossos políticos de reformularem a lei, que também só seria sentida pela população aos poucos, mas faria a diferença no futuro. Provavelmente tem a ver com o sistema penal brasileiro e o entupimento e incapacidade por superlotação dos presídios. Mas isto não justifica que jovens entre 14 a 17 anos possam manejar armas e matarem a população e sairem incólumes, sem punição alguma. Isso, claro, os deixa mais tranquilos no momento do ato, e isso é facilmente observável pelo que tem ocorrido em nossa sociedade. Mas mais do que tudo isso, repito, o que me chama a atenção é a total inutilidade e inação de nossos políticos, que aparentemente servem apenas para esvaziarem nossos cofres públicos, cujo dinheiro advém de nossos impostos. Triste sina brasileira: pessoas engravatadas se tornando desonestas num sistema fechado e que os protege e os defende para o usufruto total e ilimitado de uma verba que deveria ser empregada em melhoras no nosso sistema venoso necessitado de toda sorte de melhorias e capacitações para seu funcionamento mais condizente, seja à educação e à saúde, como à manutenção de serviços essenciais como a energia elétrica, limpeza urbana etc. Mas que não o fazem, esbanjando a verba ultra-salarial e arregimento asseclas com salários maiores até do que pesquisadores-doutores de universidades federais que estudaram anos a fio para se capacitarem e que não são consultados para um melhor entrosamento de resolução de problemas, pois o governo brasileiro não sabe trabalhar (nem sozinho, que se diga se com o auxílio dos pesquisadores). Pois já que há pesquisadores, nada mais inteligente que se usar das capacidades deles na resolução conjunta de problemas sociais nacionais entre eles e governo. Aliás, por mais que se critique os EUA, lá há esse tipo de aliança que resulta em um país com mais capacidade tecnológica, inclusive, apesar de outros problemas de ordem que devem ser revistos. Mas no Brasil, ao menos, tem havido um pouco disso, isoladamente. O pesquisador Nicolelis teimou e fez: elaborou um centro de pesquisas sobre o cérebro em Natal-RN e também montou um local de capacitação de jovens que transforma a visão deles: quando lá entram a estudar, pensando nos modelos nacionais (modelo, futebolista e só), saem com vontade de serem pesquisadores, modificando e ampliando sua estreitada mente anterior. Então, a verdade é que os exemplos ajudam a nos moldar: maus exemplos com politicagem suja e bandidagem armada levam isso aos jovens que só veem saída nesses quesitos. Já uma educação com inteligência, molda uma nova abertura de visão, necessária a mudar nossa realidade. E dinheiro não esbanjado pelos políticos e empregado em maior monta em educação é parte-mór e integrante dessa "salvação" necessária, enquanto os jovens têm uma péssima vida e maus exemplos (e péssimas leis) que lhes permitem assassinar como se estivessem brincando...
Para entenderem melhor a explicação de Nicolelis e o que é o centro de pesquisa, existe esse link: http://www.youtube.com/watch?v=CI5tr3F5r08 e também esse outro vídeo que aqui lhes anexo.
video
Por ora, está aqui minha revolta e descrição momentânea do que penso que deve ser mudado, para que casos como esse assassinato não se ampliem desmesuradamente...e para que um quase adulto assassino também não tenha chance de desenvolver esse lado maquiavélico da alma humana...se as políticas nacionais deixarem de ser burras e trabalharem de mãos dadas com pessoas capacitadas a melhorar as leis e elaborações gerais e educacionais desse país.

Sem comentários:

Enviar um comentário